Como saber a hora de trocar minhas máquinas?

Você sabe como anda a saúde das suas máquinas? Como já dizia o ditado: é melhor prevenir do que remediar. Precisamos então pensar na importância de um controle de inventário sobre os equipamentos. Isto garante mapear o ambiente com os casos que podem lhe causar dores de cabeça. Com isso podemos realizar upgrades e realizar as trocas de equipamento.

máquinas velhas

A evolução dos hardwares disponíveis no mercado torna necessário atualizar-se para ter um desempenho satisfatório, já que os softwares tem exigido maior poder de processamento. Devemos levar em conta que dispositivos ultrapassados para determinadas atividades podem gerar consequências, principalmente na produtividade, devido ao seu desempenho. Além disto, propiciam a presença de mais incidentes de mal funcionamento.

Obsolescência das máquinas

Algumas Fabricantes utilizam o modelo Tick -Tock para troca de socket nas placas mães onde basicamente o tick é o encolhimento da arquitetura anterior e o tock é a nova arquitetura lançada no mercado. Desta forma a fabricante pode predefinir as tecnologias que virão futuramente e podem se adaptar às novas tecnologias. Portanto, na maioria das vezes, é mais interessante realizar a troca das máquinas por um componente mais atualizado.

Além disso, dar manutenção para equipamentos antigos fica mais oneroso devido a falta de peças no mercado, já que gerações fora de linha tendem a ter suas produções descontinuadas

Fora desgaste natural, há outros fatores decisivos para saber quando é o momento para trocarmos o setup. Por exemplo:

  • Problemas recorrentes em um curto período de tempo;
  • Necessidade de upgrades que irão gerar custos altos;
  • Troca de componentes que não resolvem definitivamente problemas iniciais.

O HD é um caso para se ficar de olho, já que é constituído de vários componentes mecânicos que estão sujeitos a desgaste. Seus defeitos começam por diversos motivos. Entre eles: falta de isolamento estático, má refrigeração, manuseio errado, quedas (principalmente em notebooks) e até mesmo a utilização do dia a dia. Badblocks (defeito físico na superfície do disco) são grandes vilões quando o assunto é armazenamento, já que os discos mecânicos são selados a vácuo de fábrica, impedindo a manutenção no dispositivo.

Influência na produtividade

Um computador ruim atrapalha o trabalho de quem está utilizando ele, pois diminui a produtividade e consequentemente causa perda de tempo. Como resultado temos perda de dinheiro, que poderia ser evitada com um equipamento em boas condições.

De maneira geral um equipamento de TI tem uma vida útil de aproximadamente 5 anos. Alguns equipamentos duram mais, outros menos. O importante é ter cuidados especiais com os equipamentos que estejam perto ou passando dessa linha de corte. O controle de inventário, verificação de rotina, backup de arquivos devem estar presente no seu dia a dia. Através deles conseguimos realizar ações pró ativas com os dados dos equipamentos. Esses fatores nos ajudam na troca de máquinas e análise de rentabilidade do hardware.

Mais que um luxo, prover um computador de alto desempenho aos funcionários é essencial. Quanto custa o salário de um funcionário? E se ele estiver com 10% a menos de produtividade por causa de seu equipamento? Será que em um ano o computador novo não se paga?

A troca das máquinas deve ser vista não como um gasto mas como um investimento a ser feito. Ela permite aumentar a produtividade e proporcionar os equipamentos corretos para os colaboradores executarem seus papéis.

Esperamos que tenha curtido nosso artigo. Nos acompanhe no nosso blog. Curta e compartilhe com seus amigos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 4 =