Aplicando a Metodologia SCRUM em projetos

Já se envolveu em algum projeto grande que, no meio do caminho, precisou ser revisado e sofreu alterações? Muito provavelmente ele envolvia algum software com regras de negócio e funcionalidades diversas. Que saber como lidar de uma maneira incrível com projetos assim? Se liga nesse artigo sobre o que talvez seja a metodologia ágil mais conhecida no mercado, se liga no SCRUM!

Oriunda da expressão inglesa scrimmage, Scrum é literalmente, uma escaramuça. Não ajudou muito para entender, né?

Escaramuça é qualquer luta de pequenas proporções ou uma breve luta durante investida militar entre pequenos grupos de soldados. Interessante não é? Foi daí que veio inclusive uma famosa jogada de Rugby, que por sua vez incentivou a metodologia ágil que falaremos hoje.

Rugby e SCRUM

Rugby, em sua raiz, é um esporte de contato físico, sendo até meio pesado. Duas equipes de 15 indivíduos jogam 80 minutos, com um intervalo no meio desse tempo. Durante o jogo, os jogadores usam seus corpos em risco como armadura para proteger seus colegas. Scrum é um nome  inspirado em uma jogada desse esporte.

A jogada em questão é uma alternativa para reiniciar um jogo após uma penalização. Oito jogadores de cada time podem participar dessa jogada onde a penalização ocorreu. Os jogadores se unem em torno da bola e avançam com o objetivo de retirar os obstáculos(outros indivíduos) da frente do jogador que correrá com a bola para ele avançar o máximo possível no campo. Em suma, é porrada. 

E a metodologia Scrum?

Para entender o que é Scrum, é necessário saber o que são metodologias ágeis? Talvez, por isso é bom que você visite nosso artigo sobre esse assunto antes de prosseguir.

Essa metodologia em específico organiza curtos ciclos de entrega e reuniões rápidas de acompanhamento e atualização da equipe para fazer uma gestão de projetos completos de desenvolvimento. Ela otimiza suas listas de necessidades e, acompanhando as do cliente, reorganiza as prioridade das tarefas do mesmo. 

Sem dúvidas é uma excelente, senão essencial, abordagem para projetos de desenvolvimento de software. Mas não é apenas para isso que servem. Com criatividade e gestão é possível aplicar em projetos que podem receber alterações conforme o andar da carruagem, preparando a equipe para o que der e vier.

Componentes do SCRUM

O Scrum tem uma série de diretrizes para conduzir os trabalhos. Essa estrutura não é para engessar os processos ou impor direcionamento, mas para facilitar que as equipes sejam auto organizáveis. Como assim? É simples:

Imagine que uma equipe de arquitetos e engenheiros irá construir um grande castelo e cada um se responsabiliza por um cômodo. Se todos fizerem um espaço incrível, mas não se comunicarem, talvez no final a peça não possua harmonia internamente, por mais que os cômodos sejam, individualmente, incríveis.

A Scrum traz então caminhos que facilitam a comunicação e aprendizado contínuos dentro da equipe, assim ela pode se gerenciar melhor.

Projeto e Product Backlog

Para realizar um projeto qualquer é necessário que se tenha em mente o que irá compô-lo. Na SCRUM o Product Backlog é o responsável por dizer isso.

Neste documento, que pode ser uma planilha, colocamos tudo aquilo que precisa ser entregue para o projeto ser dado como pronto. Usualmente definimos aqui o status da implantação ou desenvolvimento do item mencionado.

Dando o exemplo de um e commerce, podemos colocar no PB elementos como: área de login para os usuários, cadastro de produtos, precificação de itens, carrinho de compras dos usuários finais, etc…

Product Owner

Conhecido mundialmente como gerente de projetos, esse indivíduo é o responsável por manter o projeto em constante andamento. Nele se coloca a responsabilidade de entender o Backlog do produto e incluir itens que se fizerem necessários, propor as prioridades de cada um deles e acompanhar o histórico das entregas de cada ciclo..

Time SCRUM e Scrum Master

O Time do SCRUM pode mudar de projeto para projeto. Inclusive um setor de uma empresa pode ter vários projetos ocorrendo paralelamente e definir um time para cada um deles. Cada um deles times, no entanto, precisa ter um Scrum Master!

Geralmente as equipes são formadas de maneira multidisciplinar. Isso acontece para que eles consigam dar conta de toda demanda que será exigida no projeto. O Scrum Master é o membro da equipe de desenvolvimento do projeto, tende a ser diferente do PO.

Enquanto o time dividirá entre sí as atividades das Sprints(já já falaremos delas), o SM se responsabiliza por puxar todos para as reuniões e saber como estão os membros da equipe.

As Sprints

Ciclos de Sprint

Os ciclos de Sprint são os prazos para realização de um conjunto de itens do Product Backlog. As equipes envolvidas com o SCRUM são responsáveis por, junto do PO, definirem qual é a melhor duração de uma Sprint, segundo suas rotinas.

Para o bom gerenciamento de projetos, os ciclos são sempre iguais. Assim a equipe tende a se adaptar com a quantidade de tarefas que pode abraçar em cada um deles.

Como é bom termos sempre uma boa previsão de início e fim das tarefas alinhada com o maior número de entregas possíveis, 15 dias tende a ser um bom tamanho de Sprints, mas você pode fazê-las como for melhor.. 

Spring Planning Meeting

Ao fim de cada ciclo, a equipe faz uma reunião para planejar o próximo Sprint e conversar sobre como foi o andamento do anterior. Nessa reunião o time irá construir o Backlog da Sprint, que são as tarefas que devem ser entregues.

O ambiente dessas reuniões de planejamento deve ser fluido e aberto à conversas. Cada membro pode expressar como se sentiu com a carga de trabalho do ciclo que se passou e sobre aprendizados ou observações sobre algo que tenha os atrapalhado.

Essa reunião precisa terminar com o Backlog do próximo ciclo pronto. Ele é montado retirando itens do Product Backlog que não tenham sido realizados ainda. Cada membro da equipe do projeto pode dar sua opinião sobre quanto um item irá consumir da equipe, até que todos concordem que a atividade pode ser plenamente entregue por todo o time até o fim da Sprint.

Também é possível que o Sprint Backlog já saia com os responsáveis por cada tarefa pré-determinados.

Daily Scrum

É uma reunião diária, que deve ser planejada e garantida pelo SCRUM Master. Essas reuniões não existem para resolver problemas, apenas deixar todos cientes do andamento do projeto. Isso faz com que 15 minutos sejam mais que o suficiente para ela acontecer.

A função oficial desses encontros rápidos entre todo o Time SCRUM é:

  • Disseminar conhecimentos: cada integrante pode falar rapidamente sobre algo que aprender no dia anterior;
  • Expor as atividades realizadas no dia anterior;
  • Falar sobre impedimentos e barreiras encontrados para o trabalho;
  • Priorizar as atividades que serão feitas nos dias.

Às vezes algum membro da equipe traz para a Daily SCRUM um problema que necessite intervenção ou análise detalhada. Questões como essa devem ser levadas para fora da reunião e tratadas por um grupo menor. Isso é para que o andamento dos trabalhos da equipe inteira não sejam parados.

Se você quiser resumir essa reunião com um roteiro, basta fazer essas três perguntas para cada integrante do time:

  1. O que você fez ontem?
  2. O que fará hoje?
  3. Há algum impedimento para suas atividades?

Sprint Review Meeting e Sprint Retrospective

Antes de ir para a próxima Sprint, é importante que a equipe converse sobre seu último ciclo de atividades. Com o Product Owner é interessante que seja feita uma revisão das tarefas entregues e um alinhamento das expectativas.

É aqui um excelente momento para se compartilhar aprendizados, técnicos e teóricos da equipe. Em projetos de software, por exemplo, isso é extremamente útil para disseminar funções, módulos ou conceitos aplicados nas tarefas desenvolvidas.

Embate de metodologias clássicas e ágeis

A SCRUM é um alternativa à gestão clássica de projetos. Isso não a torna mais adequada a todo e qualquer caso, mas a torna útil para aqueles que tendem a sofrer alterações durante seu andamento.

Vamos resumir 4 pontos de contraste entre as duas maneiras de gestão:

Atividades Pré-definidas x Revisadas

Enquanto alguns projetos possuem uma estrutura rígida e que deve ser seguida desde o início, outros precisam de maior flexibilidade. Há aplicações nas quais adaptações devem ser realizadas ou novas ideias implantadas com o trabalho em andamento.

Aqui a SCRUM é a chave para um desenvolvimento flexível de atividades, graças aos seus ciclos.

Cronograma x Prazos fixos e ciclos

Alguns projetos contam com uma data final, enquanto o SCRUM possui datas de entregas, onde o projeto se torna mais robusto. Como para cada ciclo há um momento de definir as atividades, prioridades podem ser revisadas e novos itens adicionados constantemente.

Esse tipo de aplicação também coopera para que o projeto se torne, com o templo, mais amplo do que no seu início.

Previsibilidade x Crescimento Contínuo

Com uma data inicial e final do projeto, sem adições, torna-se mais fácil prever o resultado final. Isso não ocorre no SCRUM. Nele os projetos vão recebendo incrementos e atualizações constantes do Product Owner, o que faz com que o produto final seja mais robusto e do que o planejado inicialmente.

Centralizado x Comunitários

Enquanto projetos gerais mais clássicos são estruturas por um indivíduo, o andamento na SCRUM é definido de modo comunitários. Com toda a equipe definindo as SPRINTS e atividades, compartilhando experiências e problemas, o projeto tende a ser abraçado por cada indivíduo de maneira mais intensa, já que se este se vê mais atuante e importante.

Conheça mais sobre metodologias ágeis

Caso se interesse em entrar mais profundamente no mundo das Metodologias Ágeis, leia nosso artigo sobre o assunto na íntegra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 − dois =